(Re)Curso de Iniciação à Fotografia

segunda-feira, 29 de março de 2010

Stopmotion

Dar vida às imagens, uma representação cinematográfica do que fotografamos, podia definir facilmente desta forma uma Stopmotion.

O que vamos então fazer?
Primeiro, criar um guião, uma história/argumento. Depois vamos fotografar sequencialmente essa/s acção/acções.
Se pretendermos uma Stopmotion fluída, com rapidez de movimento e uma aproximação maior ao cinema, convém fotografarmos no modo de qualidade mais baixo, para termos maior capacidade de resposta da câmara.
Se fotografarmos por exemplo em RAW, o ficheiro que é gerado é muito pesado, logo, não teremos a fluidez necessária para o movimento. Se colocarmos a câmara num modo de qualidade S, a resposta será imediata e a quantidade de disparos consecutivos aumentará bastante.

Para fotografarmos sequencialmente, teremos também que alterar o nosso modo de disparo (normal, sequencial ou temporizador) para Sequencial.

Depois precisamos de um bom computador para processar as várias imagens, poderão ser 100, 200, 1000, etc. E necessitamos também de um editor como por exemplo o Adobe Premiere ou o básico Movie Maker.
Para termos ainda maior fluidez nas imagens, convém alterar os tempos de duração de cada imagem e os tempos de transição para o mínimo que nos convier, dependendo da rapidez desejada.

Stopmotion efectuada por Ana Isabel Rodrigues na 13ª Edição do Curso de Iniciação à Fotografia - Velha-a-Branca, Braga

video

3 comentários:

  1. Muitas fotos, pesadas e um computador fraco. É esta a fórmula do meu "não" à minha Stopmotion.
    Mas hei-de lá chegar.
    Quanto à Stopmotion publicada, sem qualquer tipo de dúvida, a "Special One" da 14º Curso de Iniciação à Fotografia.
    Mensagem clara em meia dúzia de fotos. Bons enquadramentos e técnica.A escolha músical não podia ser melhor.
    Parabéns Ana.
    Antes de iniciar o 14º desconhecia "esta maneira" de dar vida às fotografias.
    A fotografia ganhou aqui um novo espaço.
    Viva a Stopmotion.

    ResponderEliminar
  2. Daniel,

    Se recomendas o Adobe Premiere, que está fora do alcance de muita gente, talvez fosse boa ideia remeter o pessoal para as alternativas open source. Podem não oferecer o mesmo nível de qualidade -- aliás, os produtos Adobe por algum motivo são de referência -- mas contêm muita mais funcionalidade que o MovieMaker.

    Fica aqui a dica:
    http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_free_and_open_source_software_packages#Video_editing

    Pessoalmente, vou experimentar o JahShaka, que agora se chama CineFx.

    É claro que só recomendo software mais avançado que o MovieMaker a quem tiver tempo e paciência para aprender.

    - Jorge M Machado

    ResponderEliminar
  3. E ideias...

    Ando aqui num corropio para magicar um enredo:(
    Braga ... o que me diz Braga?

    :S

    ResponderEliminar